RÉQUIEM PARA O MIRACEMENSE REGINALDO BARROS


"Viver é perder amigos"

Carlos Drummond de Andrade


Naqueles idos de 1950, passar em primeiro lugar no Curso de Admissão do Colégio Miracemense era façanha que merecia destaque no pequeno jornalzinho dos Estudantes, que tinha como seu redator um aluno chamado Mauricio José Correia, que encerrou a sua vida de jurista na presidência do Supremo Tribunal Federal. Ele recolhia as notícias da vida do Colégio e ia para Palma dar a redação final no periódico. Na segunda feira ele estava de volta, viajando naquele ônibus verde do Sr. Pedrinho e distribuía o mensário entre os estudantes. Em 1953, ele era o orador oficial do Tiro de Guerra nº 217 na semana da Pátria.

FOTO, DO ANO DE 1957

FOTO DO ANO DE 1957

Foi uma geração de brilhantes alunos que fizeram nome no Estado e no Brasil: o fundador do "Avante" foi Evandro Freire, que hoje empresta o seu nome a um dos grandes hospitais do Rio de Janeiro, isto sem falar nos Faver, Renato e Marcus, José Danir Siqueira e tantos outros que deixaram seus nomes na história do Estado do Rio. Foi uma pena que o nome do Colégio Miracemense tenha mudado para Instituto de Educação, mas o prédio está bem conservado, bonito e com muitos alunos.

FOTO: DIVULGAÇÃO

Mas o enfoque de hoje é Reginaldo Barros Neto, filho do combativo Pedro Gonçalves Neto, que naquelas campanhas políticas era um prazer e um deleite ouvi-lo argumentando e protestando, mais protestando do que argumentando. Derrotado, a sua casa foi depredada pelos vitoriosos de então. A simpática Rua das Flores ficou manchada com aquele ato de vandalismo, como outras ficaram. Miracema se parecia com Barbacena: a calçada que os Dias passavam os Andradas não pisavam...

A intimidade com o microfone e a naturalidade fez dele um bom orador. Vez por outra redigia um artigo para o jornalzinho dos Estudantes. Formado, em uma das visitas que fazia ao meu pai, este deu-lhe uma carta para João Batista da Costa, o diretor do grande Jornal Fluminense, o primeiro jornal radiofônico do Estado, o mais falado, o mais ouvido. Meu pai recomendava: "Tem talento e é promissor". Dito e feito: fez carreira, formou-se em Direito, advogou e tornou-se empresário de sucesso em Niterói.


Fundou uma Imobiliária e enricou vendendo terrenos em Pendotiba e deu uma grande ajuda ao Clube do Bairro. Pode-se afirmar que foi um pioneiro no bairro da zona oceânica de Niterói onde construiu um belo Hotel na praia de Charistas. Homem de muitas habilidades vinha pouco a Miracema. Aqui tentou reerguer a Usina Santa Rosa e incentivou o plantio de cana, mas a nossa região é semi-montanhosa e, sem máquinas era impossível plantar cana, uma vez que só em terrenos planos como o Baixadão de Campos era possível usar o maquinário.

Caridoso, ultimamente estava ligado a movimentos de Igreja. Era provedor de uma Casa de Reabilitação em Niterói.

Confesso que encerro este réquiem com saudade e melancolia, não só pela  perda de uma das figuras mais brilhantes da minha geração. De inteligência multifacetada, do cantor, da grande figura humana que foi Reginaldo Barros Neto Confesso, ao meu lado são poucos, reduzindo o meu tempo e o espaço de viver.

Por Dr. Maurício Monteiro, Advogado e Historiador