Detento de Muriaé é aprovado na Universidade Federal de Viçosa


A conquista da nota máxima na redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) do Sistema Prisional e a classificação geral obtida pelo detento Bruno Eduardo Oliveira Reis, da Penitenciária Dr. Manoel Martins Lisboa Junior, de Muriaé, na Zona da Mata, levou o preso a conquistar uma vaga na Universidade Federal de Viçosa (UFV).

O detento foi um dos 3.141 inscritos, de 95 unidades prisionais de Minas Gerais, na terceira edição do Enem Prisional. O número de presos que prestou os exames em 2012 foi quase quatro vezes maior do que o de 2011, quando 795 presos de 43 unidades prisionais se inscreveram para o exame.

Na mesma penitenciária onde Bruno cumpre pena, outros 32 presos fizeram a preparação e a prova. Na primeira chamada do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), além da aprovação de Bruno na UFV, outro presidiário obteve seu certificado de conclusão do Ensino Médio.

Bruno Eduardo Oliveira Reis

Apoio integral

Quando foi transferido para a prisão, Bruno, que tem 32 anos e está preso há um ano, não tinha terminado o Ensino Médio. Apesar de um longo tempo longe dos livros e cadernos e do pouco tempo até a prova - que foi realizada nos dias 4 e 5 de dezembro, três meses depois de sua chegada à unidade prisional -, o detento não deixou de fazer o exame. "Foi uma oportunidade que a penitenciária me deu para me profissionalizar", afirma o preso.

Bruno teve o apoio da pedagoga do Núcleo de Educação da penitenciária, Marilene Madalena Ciribelli Dias, além dos professores e dos diretores. Para ela, a aprovação de Bruno é o resultado de um trabalho em equipe: "O nosso principal objetivo aqui é a ressocialização deles e todo esse trabalho na educação é gratificante. É muito satisfatório podermos ampliar seus horizontes e vê-los com novos valores". Na unidade prisional, o preso recebeu dicas, pôde tirar dúvidas e fez simulados de provas anteriores do Enem para se preparar. Para a redação, que teve o tema "Movimento imigratório para o Brasil no século XXI", Bruno teve uma ajuda extra: seu pai, que é professor de português.

Confiança

Quando saiu o resultado, não houve muito espanto. "Fiquei surpreso, mas eu sabia do meu potencial", afirma Bruno. A pedagoga da unidade o inscreveu no Sistema de Seleção Unificada (Sisu) e, com a média de 666,40 no Enem, o preso, ainda na primeira chamada, conseguiu uma vaga no curso de Educação Física da Universidade Federal de Viçosa (UFV). Com uma procuração, seu pai fez a matrícula na cidade, que fica a 85 km de Muriaé.

Ao todo, cerca de 6.000 detentos estudam enquanto cumprem pena em Minas Gerais. Das 129 unidades prisionais do Estado, 67 possuem escolas. Pelo estudo, os presos têm redução da pena: a cada 12h de aulas, um dia é retirado da sentença a ser cumprida.

Fonte: Crédito: Ascom SEDS