Confirmação de caso de mormo no Estado deixa defesa agropecuária em alerta


O deslocamento de equídeos - cavalos, éguas, mulas e asnos - no estado, para qualquer finalidade, está condicionado a apresentação de exame negativo para Mormo e atestado sanitário de ausência de sinais clínicos da doença nos animais para a emissão da GTA (Guia de Trânsito de Animais).

A determinação integra as medidas tomadas pela Superintendência de Defesa Agropecuária da secretaria estadual de Agricultura em razão da confirmação, na última sexta-feira (29), de caso da doença em cavalo, no município de Teresópolis, Região Serrana fluminense. A propriedade foi interditada e o animal sacrificado.

A enfermidade infectocontagiosa, provocada pela bactéria burkholderia mallei, é fatal para os equídeos e pode ser transmitida ao homem. Os principais sintomas nos animais são nódulos nas narinas, corrimento purulento, pneumonia, febre e emagrecimento.

O superintendente estadual de defesa agropecuária, Paulo Henrique Moraes, alerta que qualquer sinal indicativo de suspeita de mormo nas propriedades ou em eventos pecuários deverá ser imediatamente comunicado ao Núcleo de Defesa Agropecuária responsável pela Região.